Como ganhar dinheiro como nômade digital? Wanderlust, em bom português, é aquela vontade intensa de conhecer o mundo, que torna as pessoas inquietas. Até pouco tempo atrás, dedicar-se a ele só era possível se você fosse um herdeiro ou já tivesse se aposentado. Mas as coisas não são mais assim.

Com o advento da internet, e com a possibilidade de ser freelancer por opção, o wanderlust se tornou acessível para pessoas comuns, como eu e você. Então, que carreiras permitem seguir o sonho de viajar por aí, sem deixar de ter uma renda ou de poupar para o futuro? É isso que você descobrirá no post de hoje!

1. Desenvolvedor web

Quem trabalha com desenvolvimento web pode se tornar um profissional autônomo com relativa facilidade. Desde que tenha domínio sobre as principais linguagens de programação do mercado (HTML, PHP e Java) e um bom portfólio, esse freelancer pode atender empresas no mundo inteiro e trabalhar seguindo a própria agenda.

Os desenvolvedores conseguem negociar contratos e realizar suas tarefas de forma remota. Caso se dediquem aos próprios projetos também têm a chance de construir páginas e aplicativos que geram uma renda fixa para a manutenção de suas despesas em qualquer cidade do mundo.

2. Redator

Os redatores são outros profissionais que podem trabalhar de suas casas. Isso significa que eles também têm a liberdade de viajar pelo mundo enquanto mantém as suas carreiras.

Um redator com uma carteira de clientes ampla consegue garantir retornos previsíveis todos os meses e pode se programar para passar um tempo em cada lugar. Participar de uma plataforma de redatores online é uma ótima maneira de conseguir isso.

Booking.com

As plataformas administram o relacionamento com clientes para que você tenha que lidar apenas com o seu trabalho. Então, se escreve bem e é criativo considere uma carreira em redação para se tornar um nômade digital.

3. Profissional de Marketing de Conteúdo

Não há profissão mais em alta no mundo do que a do profissional de Marketing de Conteúdo. Afinal, essa estratégia pegou em cheio milhões de empresas, pois é uma maneira muito mais inteligente de se conseguir clientes. Sabendo disso você deve estar se perguntando: como eu entro nessa?

Os profissionais de Marketing de Conteúdo podem exercer múltiplas funções, como:

  • a criação de estratégias de marketing;
  • a produção de pautas de conteúdo;
  • a redação dessas mesmas pautas;
  • a revisão; e
  • a análise dos resultados.

E aprender o que é preciso para ingressar no Marketing de Conteúdo também é muito acessível. Na Universidade Rock Content você tem acesso a cursos gratuitos e pagos para se destacar nessa profissão.

4. Especialista em SEO

Sabe o que é necessário para que um site aparece entre os primeiros resultados do Google? Se a sua resposta foi um bom conteúdo, ela já está no caminho certo. Apenas se esqueceu de um detalhe: como o bom conteúdo é encontrado pelas ferramentas de busca?

O especialista em SEO é o responsável por isso. Ele otimiza sites e artigos para garantir que eles sigam os padrões do Google, do Bing e de outros grandes buscadores como o DuckDuckGo. Essas otimizações são uma demanda crescente nas empresas, já que hoje em impossível ter um negócio sem promovê-lo na internet.

A carreira também permite que você trabalhe de qualquer lugar. Por isso, é uma ótima opção para autônomos que querem ser nômades digitais.

5. Social Media

Para ganhar dinheiro como nômade digital pode-se apostar também na carreira de social media. O social media é quem define estratégias e determina a comunicação de uma empresa nas redes sociais. Dá para entender o quanto ele é importante para o desempenho de um marketing digital efetivo só por essa definição, não é mesmo?

Os especialistas em mídias sociais devem estar sempre atualizados e prontos para criar conteúdos em vários níveis: do texto à arte publicada. Eles ainda podem se diferenciar dos demais profissionais aprendendo a lidar com a edição de vídeos.

6. Designer gráfico

O design gráfico é uma das profissões mais tradicionais entre os freelancers e sempre foi assim. Os motivos são muitos, mas dentre eles podemos destacar o fato de que é relativamente simples conseguir clientes como designer (afinal, todos os negócios precisam de uma comunicação exclusiva, sejam eles on ou offline) e a característica dos projetos que eles assumem, que podem ser tocados sem a figura do “gestor”.

Todos os designers aprendem na faculdade a fazer as várias etapas do seu trabalho, desde a criação do briefing à execução das peças. Isso os torna profissionais versáteis e prontos para encarar o trabalho autônomo como nenhum outro.

7. Professor de idiomas

Não é porque você se formou em uma carreira tradicional que não poderá ser um nômade digital: os especialistas em Letras encontram espaço nesse lugar como professores de idiomas, seja o português, o inglês, o francês ou qualquer outro que dominar. É possível criar esse tipo de negócio com relativa facilidade e também ingressar em plataformas especializadas como o Myngle.

8. Tradutor freelancer

Quem manja de idiomas também pode atuar como tradutor freelancer. As demandas para esses profissionais são tão diversas quanto você pode imaginar: desde as traduções especializadas, como aquelas feitas para publicações acadêmicas, quanto as generalistas (posts para websites, livros e páginas da web inteiras).

9. Blogueiro

Que tal ter seu próprio blog e virar nômade digital? Muita gente faz isso, como o pessoal do 360 Meridianos. Apostar em uma ideia e retratar coisas como o seu dia a dia ou o próprio modo de trabalho mesmo viajando ao redor do mundo é uma boa ideia para cativar uma audiência fiel e fazer um dinheirinho enquanto experimenta viver em várias cidades.

10. Criador de apps

Aqueles que têm facilidade com linguagens de programação podem também se dedicar ao desenvolvimento web. Seja produzindo aplicativos próprios e lançando-os nas lojas (como os fenomenais games indies que estouram por aí periodicamente, tipo o FlappyBird) ou atendendo a clientes, os desenvolvedores de app podem ganhar dinheiro e não precisam ir para um escritório todos os dias.

11. Nômade digital

Há uma porção de outras profissões que permitem que você seja um nômade digital: basta encontrar uma empresa que ofereça essa oportunidade. Milhares de companhias ao redor do mundo estão adotando o home office e contratam pessoas em todos os lugares do mundo para compor as suas equipes.

Pode ser que você tenha um trabalho tradicional e não ache que a vida de freelancer é a ideal para você. Pesquise vagas na sua área em que as opções de trabalho remoto são oferecidas. Elas existem e podem colocá-lo mais próximo do sonho de ser um nômade digital.

E aí, gostou de conhecer essas formas de ganhar dinheiro como nômade digital? Está pronto para se tornar um? Baixe o e-book “Partiu Mundo!” e descubra o que é preciso fazer para ingressar nessa jornada!

PS: Uma das formas de ganhar dinheiro com o blog são com as comissões.  Na sua próxima viagem, compre por esses links, que eu ganho comissão mas você paga a mesma coisa! Se você acha que o blog te ajuda de alguma forma, não custa nada comprar através desse links confiáveis! Muito obrigada 😊

SOBRE MIM

Priscila Kamoi é formada em Administração e Marketing pela Baldwin Wallace University. Trabalhou durante 7 anos no mundo corporativo e após câncer, largou a carreira corporativa para ter uma vida com mais propósito, liberdade e felicidade. Viu o blog como uma forma de unir tudo o que ama: viajar, ler, escrever, fotografar, moda, comer, culturas e pessoas. Já teve seu olhar por 29 países até agora e possui mais de 80 roteiros de viagens.Viajante, empreendedora e nômade digital por opção SAIBA MAIS

Conheça:

Acompanhe o blog no Facebook  / Instagram / Vídeos no Youtube Blog Jornada